Il profumo di Esteva

Cistus ladanifer, Esteva, Cisto, Rock rose, Zistrose, Ciste, Rockrose, Jara

https://jb.utad.pt/especie/Cistus_ladanifer_subesp_ladanifer

Qualche anno fa sono stata in Portogallo, il progetto al quale lavoravo si occupava, tra le altre cose, di erbe spontanee, qui ho conosciuto il Cisto, una pianta a cespuglio dal fiore gentile a cinque petali e dalle foglie coriacee e appiccicose. Un arbusto per me molto particolare, non ne avevo mai sentito parlare, in Italia non so se c’è, sicuramente non esiste nella mia regione che è fredda e montana. In portoghese si chiama Esteva, così l’ho conosciuta e così la chiamo. Sembra il nome proprio di una persona, un nome dal suono romantico. Il profumo di questa pianta infonde il coraggio di tuffarsi nella vita, dà un nuovo impulso. Sembra che regali nuove energie interiori.
Ne rimasi incantata, travolta.
Mi dissero che da questa pianta si ricava una colla, infatti se la tocchi rimani appiccicato, perché è piena di resina che le dà quell’odore forte e particolare. L’Esteva cresce in questa terra che è l’Alentejo, un luogo dolce di colline arse da un sole rabbioso, un luogo dove si percepisce la forza della natura.
Ricordo che quando tornai in Italia avevo seccato delle foglie e dei fiori di Esteva, per portarmi un po’ di profumo nella mia casa. Ma persi tutto nel viaggio di ritorno e negli anni a venire tentai di ritrovare quell’odore che risvegliava in me tanti ricordi, ma ogni tentativo fu vano.

Dopo 10 anni sono tornata in Portogallo, in Alentejo, e questa volta per lavorare in una distilleria di oli essenziali. La distilleria Dalenguadiana.Quando sono arrivata non era il momento della fioritura e né della raccolta dell’Esteva, ma io sentivo sempre il profumo di Esteva. Un giorno, mentre ero a raccogliere le erbe da distillare con Vitor, incontrammo un cespuglio di Esteva con un timido fiore bianco, il primo della primavera. Vitor si mise a spiegarmi un sacco di cose su quella pianta, mi disse che lui la distillava. Mi illuminai. Era una notizia meravigliosa, avrei potuto avere sempre con me quel profumo meraviglioso che infonde tanta forza. Perché non ci avevo pensato che portasse esistere l’olio essenziale di Esteva? Ecco che mi spiegavo il profumo buonissimo di Vitor. Usava quell’olio essenziale!

L’Esteva ha tantissime proprietà: ossigena i tessuti, facilita la rigenerazione cellulare, è indicata in caso di pelle atona o danneggiata. È antirughe e migliora la circolazione. È ottima sull’acne e con la psoriasi. Eccellente in caso di infezioni e infiammazioni. Sui capelli è utile in caso di forfora.
A livello psichico è equilibrante e stimolante, sostiene in caso di paura e preoccupazione. Porta un messaggio di rinascita, di nuovo inizio. Aiuta a rialzarsi, a ricominciare e a resistere alle avversità.
È una pianta potente e bellissima che consiglierei, a molte persone, di usare.

Un piccolo aneddoto finale: questa volta di ritorno a casa ho portato con me un rametto con foglie e un fiore non ancora schiuso. Da anni lo conservo sulla mensola delle spezie. In primavera tutti gli anni passando vicino alla mensola si sente il profumo di quella pianta, è come se ogni anno rifiorisse. Ogni volta che arriva quel periodo dell’anno arrivano anche tanti ricordi che rimangono indelebili dentro di me, e mi viene voglia di Alentejo.

Elena Calatti, erborista

https://www.facebook.com/Cucinare-per-Il-Corpo-302400046861544/

Ruta montana

Ruta montana, Arruda, Rue,,,,,,,

https://jb.utad.pt/especie/Ruta_montana

“É erva conhecida e, embora de acentuado aroma, tem muito proveito em si; e pelo muito uso dela e por ser a todos tão comum, dizemos de alguma pessoa ser mais conhecida do que a Arruda. Molhada com vinagre e aplicada nas fontes e nas têmporas, ou dada a cheirar, desperta os que adormeceram em letargia. As folhas da Arruda colocadas dentro de um figo com meia noz cortada e sal são remédio rápido para a pestilência e para todo o veneno. Comiam-na outrora os pintores frequentemente porque aguça muito a vista.”

Sebastián de Covarrubias, sobre a Arruda em “Tesouro da Língua” (1611)

O género Ruta, de aroma pungente e inconfundível, brinda o nosso território Luso com 3 espécies autóctones, sendo uma delas a Ruta montana. Este género é dos mais conhecidos e descritos pelos praticantes de medicina mais ancestral, herbalistas e curadores.

A planta em si era muito conhecida por Dioscórides pelo seu efeito curativo em transtornos da esfera feminina, pois tem ação emenagoga e ocitócica, estimulando a menstruação e tonificando a musculatura uterina e as veias no geral.

Tem uma forte ação antissética, antimicrobiana, antifúngica, antiespasmódica, antioxidante, antiradicalar, antidiabética (hipoglicemiante).

É por isso usada, tanto em planta via infusão, como em óleo essencial, em casos de amenorreia, dismenorreia, varizes, hemorroidas, espasmos gastrointestinais (as comumente apelidadas de dores de barriga), parasitas intestinais e diabetes.

Em uso externo é usada, de uma forma mais segura, em cataplasmas, no tratamento de uma panóplia de afeções dermatológicas e reumatismais.

Ruta é o caminho.

Um caminho de cura e autodescoberta para a Mulher, que lhe permite explorar as águas profundas e ancestrais do seu Útero.

Flui como um rio de sangue que banha o Centro Gerador, aquele que dá a vida – o Útero, sendo por isso uma planta com muita afinidade para o sistema ginecológico, para a Mulher, seus ciclos e sua linhagem feminina.

O seu Óleo Essencial, ao ser aplicado diluído sobre o Útero, tem um efeito purgativo, muito associado à limpeza dos corpos subtis, sendo muito útil para a Mulher Bruxa, aquela que cocria, aliando a sabedoria da Avó Lua à sabedoria do seu Caldeirão, e por isso necessita de manter este centro energético leve, limpo e recetivo às mensagens do outro lado do véu, sendo canal Divino da Mulher Bruxa.

Em termos energéticos é uma planta e óleo com uma ação mais ampla e profunda que a pura limpeza ou purga.

Ruta é caminho, e por isso é guia, é Mestre. Potencia a grande jornada de exploração do Arquétipo da Bruxa, resgates de vidas passadas desta mesma sabedoria tão uterina, cura e harmonização da linhagem ancestral feminina e curas aos Úteros magiados, sendo cajado e lanterna nos processos de cura e de descoberta para aquelas mulheres que têm doenças uterinas sem causa aparente, que são inférteis ou apresentam doenças e sintomas relacionados com o Útero.

É uma planta que apresenta toxicidade e é abortiva, por isso o seu uso deve ser feito de forma moderada, sendo contraindicado na gravidez. O seu óleo essencial não deve ser usado internamente nem topicamente em crianças com idade inferior a 6 anos de idade ou a mulheres grávidas e tem efeito fototóxico.

(A autora não assume a responsabilidade na eventual utilização inadequada da planta e óleo, ou conselhos aqui mencionados. Deve sempre consultar um profissional de saúde para um diagnóstico adequado.)

Texto gentilmente cedido por

https://www.facebook.com/HerbalismoAlquimico/

Lavandula stoechas

Lavender ( Lavandula ) is called Rosmaninho in Portuguese, which pretty much sounds like Rosemary ( Rosmarinus ) . Alcrim is the name of Rosemary in Portuguese.  That’s why some people get confused when they see its labels. As soon as we open the bottles, the pure smells from Guadiana Valley tell us who they are!

Currently five spontaneous species are recognized in Portugal. We can find four of them in Guadiana Valley, and three of them become our essential oil.

●Lavandula stoechas sub. luisieri

Has a short or medium peduncle with dense spikes of small purple flowers topped with paler purple bracts.
It can be found in Northeast, Center, South in Portugal

●Lavandula stoechas sub. pedunculata

Rounded dark plum flower heads topped with paler purple bracts, and unlike L. luisieri, has a long leafless peduncle.
It can be found Northeast, Center, South in Portugal

●Lavandula stoechas sub. viridis

Green inflorescences, dense spikes of small white flowers topped with conspicuous green to pale yellow bracts.
Sporadically in the southwest and southeast of the Alentejo and in the western Algarve

●Lavandula multifida

Extremely localized population (not enough to make essential oil sustainably)
It can only be found on the Arrabida mountains and in Mertola.
Notice the strong fragrance of its indented leaves.

Óleos Essenciais

oleo_esteva

Óleos Essenciais são a forma mais concentrada de energia vegetal. São substâncias naturais e orgânicas, responsáveis pelo aroma das plantas aromáticas. Altamente concentrados, são muito potentes e voláteis, apesar de serem chamados de óleos, não são substâncias oleosas. Podem ser obtidos através da destilação a vapor d’água de varias partes das plantas.

Com propriedades terapêuticas comprovadas. Biologicamente, fortalecem as defesas naturais do corpo e o equilíbrio do sistema endócrino. Psicologicamente, ajudam na harmonização dos hemisférios cerebrais, permitem um relaxamento profundo e facilidade no processo de auto-regulação.

Olá Mundo!

Este é o nosso primeiro post, o nascimento do nosso blog!